14440626_949974395112656_3266751026583665610_n

Consulta antidemocrática sobre Cassi continua nesta segunda

Por Oposição Cassi

Neste segunda-feira (14), continua a consulta ao corpo social que pode aprovar o Memorando assinado pela direção do BB e as entidades.

A consulta tem sido marcado pela falta de democracia e por reunião de gestores com funcionários, a fim de forçar o voto pelo “sim”, inclusive, com casos em que pressionaram trabalhadores a optarem pelo “sim”.

Trata-se de uma consulta que foi feita às pressas, impossibilitando que os funcionários pudessem, com tempo, compreender e debater as posições.

Não se abriu espaço na intranet ou no email funcional para que a posição pela rejeição ao acordo pudesse ser exposta aos funcionários.

Mas essa forma antidemocrática da condução do processo pelo Banco fez com que vários setores, que estavam a favor do “sim”, mudassem de posição e agora votam e recomendam o “Não” (Veja aqui)

Nós continuamos afirmando que o acordo proposto é inaceitável. Não resolve o déficit, aumenta a proporção que pagamos em relação ao BB e o compromisso dos 23 milhões assumidos pelo Banco no Memorando não entra no Estatuto.

O acordo está cheio de armadilhas que beneficiam apenas o Banco. A última que descobrimos é que os valores do Banco serão reajustados somente no ano que vem, mas o nosso foi reajustado em 8% e dos aposentados se dará pelo INPC.

É por essa e por outras que gostaríamos de conversar com os colegas que estão em dúvida nesta votação.

Se a proposta for aprovada, o processo está finalizado, sem debate algum. Se o “Não” for o vencedor, o processo de discussão necessariamente continuará.

O estatuto da CASSI estabelece a necessidade de que 50% dos sócios votem e que haja 2/3 dos votantes, retirando os votos em branco, para alteração estatutária.

A necessidade do quórum alto demonstra como devemos ser cautelosos nas questões de alterações estatutárias na CASSI. Precisamos de cautela neste debate. Quem tem pressa é a direção do BB, que não quer debater as inconsistências da sua proposta. Por isso, se há dúvida, vote “Não”.