juary-ju

NÃO À DEMISSÃO DO COLEGA JUARY CHAGAS!

Por Assessoria do Mandato da Juliana Donato – CAREF – Banco do Brasil

 

A Caixa Econômica Federal (CEF) demitiu Juary Chagas, dirigente do Sindicato dos Bancários do Rio Grande do Norte. Após um processo disciplinar aberto, a CEF decidiu suspender o trabalhador, sem pagamento de salário, e entrar na Justiça com o pedido de demissão por justa causa, por não cumprimento da jornada de trabalho.

Todo o processo é parte de uma perseguição política por causa da sua destacada atuação política e sindical. A demissão só não foi concretizada ainda porque o ativista tem direito à estabilidade no emprego até abril do próximo ano.

A perseguição de qualquer trabalhador, instalando câmeras para ficar filmando a pessoa durante meses, é uma postura inaceitável. Porém, é ainda pior sendo tomada por uma empresa pública que deveria refletir o interesse da maioria da sociedade.

Infelizmente, temos visto outros casos de perseguição contra ativistas da Oposição Bancária. Em 2008, Dirceu Travesso, dirigente nacional da CSP-CONLUTAS, foi demitido pelo banco Nossa Caixa. No ano de 2013, a CEF demitiu Messias, ativista reconhecido da oposição de São Paulo. A decisão só foi revertida pela pressão do movimento no julgamento do recurso, em última instância administrativa.

Em 2014, inclusive, a direção do Banco do Brasil tentou demitir a Juliana Donato, principal figura pública da oposição de São Paulo. Sua demissão foi evitada porque a categoria a elegeu como representante dos funcionários no Conselho de Administração do BB. Assim, sua candidatura e posse foram garantidas por decisão judicial.

Os fatos acima demonstram como os bancos públicos têm perseguido os ativistas que atuam de forma independente das empresas e dos governos. Mas, também, mostra que, quando a categoria assume a defesa desses colegas, é possível reverter essas arbitrariedades.

O mandato da Juliana e todos os setores que defendem um sindicalismo classista estarão na vanguarda da campanha em defesa da reversão da demissão do colega Juary Chagas. Exigimos que a CONTRAF e Contec façam o mesmo!